Entrada dos Postulantes - Bolívia

 

No dia 09 de março de 2017, dia especial para nossa Congregação, dia em que celebramos o ANIVERSÁRIO DE NASCIMENTO de nossa fundadora SANTA JEANNE EMILIE DE VILLENEUVE, a região Bolívia, unida a toda a Congregação teve a alegria de celebrar este dia com uma celebração Eucarística em ação de graças presidida por nosso irmão azul Ramón Gómez, na qual foi oficializada a entrada ao Postulantado dos jovens: Raimundo e Everton- Brasil; Jesus Esteban – Argentina.

Foi uma celebração Eucarística simples, participada pelas Irmãs e amigos de Emilie da região Bolívia e pessoas da Paróquia São Silvestre.

Após a celebração partilhamos um delicioso lanche.

Agradecemos a Deus por este acontecimento em nossa Congregação e contamos com as orações de todos para que outros jovens se encantem com o projeto de Emilie e entregam sua vida ao serviço do Reino no seguimento de Jesus Salvador. Irmãs/os da Região Bolívia.

Ver mais fotos>>


Visita da equipe geral de animação Comunidade Imaculada Conceição, Grupo Milfa e Colégio Imaculada Conceição. Veja mais fotos>>>

 

Visita às irmãs da Comunidade do Recanto Santa Rosa que é também a Casa das Irmãs idosas. Veja fotos.>>>

Visita às irmãs da Comunidade Umbelina. Veja fotos.>>>

Visita às irmãs da equipe geral de animação a Comunidade Acolhida. Veja fotos.>>>

Visita da Equipe Geral a Comunidade Nossa Senhora das Graças, Milfa, Milfa-Juvenil, Coordenação do Colégio Notre Dame, Berçário. Veja fotos>>>


Visita da Equipe Geral a Comunidade Madre Luisa Bertrand, Coordenação do Colégio e Grupo Milfa. Veja fotos.>>>

visita da Equipe Geral a Comunidade Maria Misionera. Veja fotos>>>

Visita da Equipe Geral a Comunidade Virgem de Guadalupe - Bolivia. Veja fotos>>>

Visita da Equipe Geral a Comunidade Maria Mãe dos Pobres e Eq. Itinerante. Veja fotos>>>


Repam - Manaus

Desde junho deste ano, a Rede Eclesial Pan-amazônica, Comitê Nacional, vem realizando seminários sobre a Laudato Si’ e Repam nos Regionais da CNBB, na Amazônia Legal. No Brasil já aconteceram em Cuiabá (MT), Porto Velho (RO). Em Manaus (AM) estiveram reunidos, de 29 a 31 de julho - 2016, 140 participantes, representando as nove Dioceses e Prelazias desta Arquidiocese.


O Seminário teve início com a celebração eucarística presidida pelo arcebispo de Manaus, dom Sérgio Castriani, na matriz São Sebastião. Em seguida houve uma caminhada até a praça do Teatro Amazonas. Dom Mario Antônio da Silva, bispo eleito de Roraima, fez a apresentação pública, para mais de 500 pessoas, da Encíclica Laudato Si’ e Roberto Malvezzi,  falou sobre os objetivos da Rede PanAmazonica. As apresentações foram acompanhadas por músicas e danças da cultura tradicional amazônica, organizadas por Eliberto Barroncas, do Grupo Raízes Caboclas.


O Seminário seguiu, na Casa de Encontro Maromba (CNBB), com reflexões e estudos em torno da questão: O que está se passando em nossa Casa Comum? Esta discussão foi baseada num levantamento, feito anteriormente ao seminário, sobre as diferentes realidades: povos indígenas; comunidades tradicionais; o mundo urbano; migrantes; o tráfico de pessoas; situações que afetam nossa vida e provocam novas situações de vulnerabilidade

 

Partindo dessas realidades, a professora da Universidade Federal de Rondônia, Márcia Maria de Oliveira, analisou que os povos indígenas entendem a floresta como um lugar de vivência e não como espaço para ser explorado, que é a visão do sistema capitalista.

 

Na Amazônia tem aprofundado as desigualdades e injustiças, nos níveis social e ambiental, sendo consequência dos monocultivos, extrativismo ilegal da madeira, especulação imobiliária e outros fatores que levam os indígenas e povos tradicionais a saírem de suas terras e aglomerar-se nas periferias urbanas. É necessária uma mudança de atitudes e de comportamento, o que o papa Francisco chama de “conversão ecológica”.


Na mesma direção, o professor José Aldemir, da Universidade Federal do Amazonas, falou da ecologia a partir do conceito de “natureza humanizada” em contraposição a “sociedade do descarte” que gera desigualdade. À luz da Laudato Si’, ele explicou que esta sociedade é fruto de um sistema que explora e degrada a natureza e as pessoas, que sofrem com a falta de serviços públicos, mas que resistem e lutam pelos seus direitos.


Defender a Amazônia tem sido motivo para que muitos dessem a sua própria vida, como os mártires da caminhada: Chico Mendes, Ezequiel Ramin, Vicente Cañas, Irmã Dorothy, companheira Dora, Padre Rugério Ruvoletto e outros/as, que são exemplos de martírio pela luta social e humana. A memória dos/as mártires foi celebrada por um rito penitencial a beira do Igarapé, no Parque do Bilhar, em frente ao shopping e grandes empreendimentos a serviço do consumo e do mercado financeiro.


Nos grupos e nas propostas levantadas, os apelos e desafios são voltados para o aprendizado com os povos da Amazônia, sobretudo com os indígenas. Aprender os valores do bem viver, a importância de valorizar as ações na comunidade, num trabalho comum, solidário e compartilhado, viver com simplicidade e qualidade de vida, sem trabalhar demasiado e consumir pouco.

 

Outro desafio levantado é a busca de caminhos que ajudem a fortalecer o cuidado com a Casa Comum e com a defesa da vida na Amazônia. Por isso, a proposta é se articular em rede, num processo planejado. A Rede PanAmazonica se propõe a ser Fonte de Vida no coração da Igreja, levar a proposta da Laudato Si’ em todos as calhas de rios, em todos os lugares onde a vida humana está presente e inserida no ambiente.


Assim foi o nosso encontro, pleno de experiências partilhadas, reflexões e desafios abordados, místicas celebradas em comunhão com todo o universo que nos cerca.... O Seminário não terminou, apenas iniciou uma caminhada que será continuada pelos participantes. Outros estão agendados para os nove Países e demais estados do Brasil que compõe a Amazônia Legal.

 

“Tudo está interligado como se fôssemos um

tudo está  interligado nesta casa comum”

VIII Encontro Continental de Teologia Indígena em Panajachel na Guatemala.

VIII Encontro Continental de Teologia India em Panajachel na Guatemala. Com o Tema: “A palavra de Deus na palavra dos povos indígenas”.

 Este encontro é organizado pela “Articulação Ecumênica Latino Americana da Pastoral Indígena (Aelapi)” com mais de 200 participantes entre lideranças indígenas e agentes de pastoral de múltiplas denominações religiosas.

O Brasil foi representado por uma delegação como Mato Grosso faz parte desta delegação foi representado pela Ir. Sonia Muquissai Tossue( CIC), Ir. Nancy ( Lauritas) e pelo Indígena Moisés (Xavante).

 

Tendo como tema a “Palavra” para a cultura Guarani, pode significar muitas coisas: voz, linguagem, alma, nome, origem, projeto, etc. A palavra é a afirmação da vida. É baseado nisto que tem como reflexão o ouvir o clamor dessa humanidade que vem sendo perseguida e exterminada. Como articular o princípio da realidade com o princípio esperança? Para isso precisa discernir e não sozinhos enquanto seres humanos, mas também com a ajuda da voz de Nhanderú ( Deus Verdadeiro) na voz dos povos indígenas! Veja mais fotos>>>

Festa de Confraternização das aluno(a)s do Ateliê de Santa Emilie Organizada pelo(a)s Amigo(a)s de Emilie. No dia 15 de dezembro.Veja mais fotos>>>